Nova sede da Banda inaugurada

Está cumprido o sonho de gerações com a inauguração da nova sede da Banda de Parafita. Um dia memorável para esta colectividade com mais de 200 anos, testemunhado por muita gente numa cerimónia que teve a bênção do bispo coadjutor da diocese de Vila Real,  D. Amândio Tomás e a presença do Governador Civil de Vila Real,  Dr. Alexandre Chaves. Uma jornada que no entender do Presidente da Câmara de Montalegre, Fernando Rodrigues, «honra a história da Banda de Parafita».

Iniciada em meados de 2006, a construção da nova sede da Banda de Parafita teve que ultrapassar por uma série de dificuldades que levaram que só em 2011 fosse inaugurada. Um folhetim penoso que colheu muitas canseiras mas que não apaga o mar de sorrisos, misturados por algumas lágrimas, no momento da inauguração da “casa nova” da Associação Cultural de Parafita.

«É UM “PESO” QUE
ME SAI DOS OMBROS»

Um dos principais mentores para o realizar da obra é Avelino Gonçalves, presidente da colectividade, que mergulhado na emoção descreveu a importância do dia desta forma: «significa a chegada a um patamar que estabelecemos há alguns tempos. Significa que agora temos condições para desenvolver melhor a parte artística, nomeadamente, para dar outra vitalidade à escola de música. Tenho muito para dizer porque tenho a alma invadida com muita felicidade. É um “peso” que sai de cima dos ombros. Tive sempre muito empenho nesta obra com uma responsabilidade muito elevada. Chegou ao fim. Já funciona tudo, pelo menos o principal, o que me deixa muito satisfeito».
Sem se deter, o homem que preside os destinos da Banda de Parafita, surpreendido pela associação com uma lápide que dá nome a uma sala polivalente à sede, “Sala Dr. Avelino Gonçalves”, destacou o leque de contribuições que fizeram erguer a estrutura agora inaugurada: «isto só foi possivel pelos subsídios e pelas ajudas de muita gente, principalmente do “Setenta” e do padre Manuel Alves. Sem eles, se calhar, esta obra não era possível. Por exemplo, o contributo do “Setenta” anda na ordem dos 50 mil euros. Isto representa muito dinheiro. Estas coisas marcam, ajudam e encorajam. Uma palavra também para a juventude que, devidamente enquadrada, vai longe».

FORÇA CULTURAL

Inaugurada por Fernando Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Montalegre, a nova sede da Banda de Parafita tem no autarca uma mão decisiva para que o processo não encravasse no tempo. Para o edil estamos perante o resultado do crer e da força da cultura: «é um dia de festa para Parafita porque cumpre um sonho de ter uma sede para a banda. Neste dia temos que estar contentes. Eu estou muito satisfeito por ter contribuido para o nascer desta obra e ter contribuido também, como presidente da Câmara, para que ela se concluisse. Acho que fizemos a nossa obrigação em dar todo o apoio para cumprir este sonho à aldeia de Parafita e à freguesia de Viade porque há aqui muita força. Há aqui uma força cultural muito grande na Banda de Parafita. É uma força que vem da história e do respeito que há aqui pelos nossos antepassados».

«TEMOS MUITO ORGULHO
NA BANDA DE PARAFITA»

Fernando Rodrigues destacou ainda: «isto tudo é um grande sacrifício mas é também um reconhecimento pela história e pela terra muito grande. Com esta sede, honramos a história da Banda de Parafita e acho que se deve fazer aqui um apelo ao reforço, cada vez maior, das condições da banda, do trabalho que é preciso fazer para dar cada vez mais prestígio à banda, porque nós temos muito orgulho na Banda de Parafita e temos razões para o ter porque é um expoente máximo da nossa cultura e um dos maiores representantes que o concelho de Montalegre tem no exterior».

PROCESSO MOROSO

Para se chegar ao dia da inauguração teve que ser ultrapassar um autêntico calvário. Avanços e recuos que só foram banidos pela persistência de gente que não verga às dificuldades.
O “alarme” há muito que era do conhecimento de todos. A antiga sede era exígua para o número de elementos actual da banda e para o normal decorrer das actividades da associação. Os ensaios ainda se realizaram algum tempo na escola primária depois desta ser desactivada, mas apesar de ter maior espaço tinha condições acústicas medíocres.
Eis que em 2006 arrancam as obras depois de aprovada uma candidatura a fundos comunitários. Um projecto, na altura, avaliado em mais de 100 mil euros, com financiamento garantido a 75% pela CCDRN (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte) e que prometia estar concluído em breve. Nada disso veio a suceder. A obra foi um “cabo das tormentas” que só agora viu a luz do dia.

APOIOS

Refira-se que os terrenos que fizeram erguer a nova sede foram comprados pelo padre Manuel Alves (homenageado) e doados à associação.
A obra, entre outros contributos decisivos, recebeu donativos de material e apoio financeiro (para além da candidatura) por parte da Câmara Municipal de Montalegre no valor de 30 mil euros, para além da cedência de máquinas e camiões e financiamento dos arranjos urbanísticos exteriores; do padre Manuel Alves (além do terreno ainda fez mais algumas contribuições, nomeadamente, a recuperação total do canastro tradicional que se encontrava no terreno original) e da Junta de Freguesia. A somar a estes, o generoso contributo de José Correia Fernandes, de Braga, conhecido por “Setenta” e gerente da Serralharia “O Setenta” que doou toda a caixilharia, parte da cobertura e ainda donativos em dinheiro, totalizando um valor próximo dos 50 mil euros.
Muito do trabalho de conclusão da obra foi feito por pessoal pertencente à associação, com muitas horas de voluntariado em pinturas, pequenos arranjos, electricidade, canalização, carpintaria e limpezas.

NOTA: No dossier fotográfico anexo, para além das fotos que testemunham a inauguração da sede da Banda de Parafita, observe o desenrolar das obras e como era o “antes” do erguer desta estrutura.

Vídeo TV Barroso:




FOTOS:


Share
Esta página já foi vista 2705 vezes.

3 Comentários

  1. Parabéns Zeca , este artigo está bem conseguido! Foi uma emoção muito grande, um sentimento de dever cumprido!… Ainda me lembro do primeiro dia de obras, telefona-me o sr. Fernando : “Ó Fátima o Guinhos diz que a obra não cabe no terreno”. Meus Deus….Era o princípio de tanta dor de cabeça….lol

  2. Parabéns pelo trabalho e esforço ultrapassando espinhos e buracos de quem não reconhece, não sente orgulho da terra onde nasceu…

  3. Fico muito feliz de ver a obra finalmente inaugurada, sei o que todos batalharam para que tudo ficassa pronto o mais rapido possivel.
    Posso dizer que tambem dei a minha contribuicao, nao a construir mas a limpar inumeras vezes com a minha companheira. agora que nao tou presente fico feliz e ao mesmo tempo triste por nao ter estado ai neste momento mas o que importa é que tudo acabou por se resolver da melhor maneira.
    é uma grandiosa sede para uma grandiosa banda. Estou ansiosa para conhecer tudo ao pormenor.
    Beijinhos a todos e parabens a nos.

Deixar Comentário