Um pouco de história

Não se sabe ao certo da data de fundação da Banda mas ela andará por volta do ano de 1800. Dados mais recentes revelam-nos que por volta do ano de 1910 devido a divergências entre os elementos da banda houve uma separação formando-se então duas bandas. Mas não foi por muito tempo que se mantiveram assim, talvez uns cinco anos entre 1910 e 1915, depois uniram-se e formaram uma só com cerca de trinta elementos.

Nessa época o dia a dia da banda era bastante complicado pois os músicos tinham que ir a pé para as romarias, fazendo caminhadas por vezes de dezenas de quilómetros, havia dificuldade em arranjar fardas, instrumentos e partituras.

O peso da interioridade também se fazia sentir pois as lojas de instrumentos mais próximas eram no Porto e como se sabe nessa altura as viagens eram difíceis.

Os ensaios realizavam-se à luz da candeia…

É admirável a nobreza do espírito dessa gente, que numa altura em que se passava fome, a vida era árdua, a pobreza era grande, estes parafitenses tinham um espírito nobre: dedicaram-se à música!

Mesmo com todas as contrariedades a Banda manteve-se unida até 1964.

Desde 1910 até 1964 a Banda teve sete maestros, sendo alguns deles oriundos da terra.

Foi neste ano que a Banda se desmembrou devido a duas principais causas:

-A emigração.
-A construção da barragem que “roubou” muitos terrenos ás pessoas, e estas migraram com o dinheiro que receberam das indemnizações.

Mas entre a gente que ficou na terra e os emigrantes pairava ainda o sonho, de terem novamente a Banda em actividade.

Isso só foi possível em 1988 quando algumas pessoas que tocavam na antiga Banda voltaram para a terra, destacando-se o Sr. João Dias “Guicho”, que foi um dos principais impulsionadores iniciais, em conjunto com António Rodrigues, António Dias, Dr. Custódio Montes, Artur Guerreiro e muitos outros.

Graças à carolice, ao entusiasmo e ao bairrismo destes e mais alguns filhos da terra que não se pouparam a sacrifícios ou incómodos para a valorização da sua terra, foi conseguida a reformulação da Banda (1988).

Nesta altura muitos jovens da terra e de aldeias vizinhas começaram a aprender o solfejo para depois poderem ingressar na banda.

A primeira actuação da Banda depois de ressuscitada aconteceu no dia 25 de Abril de 1990, numa actuação memorável em que uma multidão aplaudiu e acompanhou a banda a tocar pelas ruas de Montalegre.

Desde 1988 (quando a banda foi reformulada) até hoje a banda já teve nove maestros:
– João Dias “Guicho”
– Domingos Magalhães
– Eugénio Guedes
– António “Precioso”
– Amílcar Cunha
– Jacinto Maria
– António Coelho
– Fernando Moreira
– Justino Costa (Atual)

Desde essa altura a Banda contou também com várias direcções que tudo fizeram para a dinamização e progresso da Banda e vários mecenas que em muito ajudaram, contribuindo com o seu esforço e os seus donativos. De entre estes destaca-se o Dr. Padre Manuel Alves, que além de doar vários instrumentos, ofereceu à associação o terreno para a construção da nova sede.

Actualmente a banda é constituída por muitos jovens e tem na escola de música o seu principal viveiro de artistas.

A escola é dirigida pelo maestro Justino Costa, e conta com vários professores diplomados, que colaboram na formação de novos músicos.

Share
Esta página já foi vista 3643 vezes.